Você sabia que o glaucoma se trata de uma doença silenciosa? Quase como um inimigo invisível — por ser assintomático — é considerado uma enfermidade visual perigosa. A pressão intraocular elevada, na maioria dos casos, pode ser um fator de risco significativo para o desenvolvimento da doença.

O nervo óptico, importante estrutura dos olhos responsável pela transmissão das informações visuais ao cérebro, fica afetado. O glaucoma pode envolver a perda de células da retina, e provocar perda progressiva da visão periférica.

Essa mudança na pressão ocular, que só pode ser detectada por meio de exames específicos realizados por um médico oftalmologista, resulta em um dos sintomas clássicos desse problema. 

O principal deles é a perda do campo visual periférico. Dessa forma, é como se o portador da doença enxergasse por uma espécie de túnel.

Atenção: o conteúdo deste artigo tem total caráter informativo. Jamais se automedique ou pratique atividades/treinos sem o aval do seu médico. Ao menor sinal de irritação ou problema visual, não hesite em procurar ajuda profissional.

Neste artigo você encontrará os seguintes pontos sendo abordados:

  • Glaucoma: entenda como ele se desenvolve;
  • Relação da doença com pressão alta;
  • Como funcionam os exercícios para glaucoma.

Boa leitura!

Glaucoma: entenda como ele se desenvolve

Foto: Reprodução/internet

Dentro do olho há uma câmara chamada “câmara anterior”, localizada entre a córnea e o cristalino. Ela contém um fluido importante chamado humor aquoso, que é responsável pela ingestão de nutrientes, anticorpos e várias substâncias que são muito importantes para a visão.

Para que você entenda o estado desta doença, pare e imagine uma pia. Pense que a torneira está aberta e a água está saindo, mas não há inundação porque a drenagem é boa, no caso, o ralo. 

No entanto, assuma que o dreno está bloqueado ou é menor do que o fluxo de água necessário, com isso, a pia começa a encher. 

A situação na câmara anterior é um pouco pior ainda, já que ela é fechada e, em certo momento, quando muito cheia, não tem para onde deixar o humor aquoso sair. O resultado é um aumento da pressão na câmara.

Essa pressão chega ao nervo óptico, restringindo-o e acontecendo o aumento da escavação. E isso faz com que o nervo perca fibras, e as mais superficiais, as primeiras a serem prejudicadas, são responsáveis pela visão periférica. 

É por isso que os casos de pressão aumentada quase sempre começam com a perda de campo visual periférico. Mas esse diagnóstico só pode ser dado pelo seu médico oftalmologista. 

Sintomas da doença

Foto: Reprodução/internet

Um dos principais sinais de que sua visão pode estar sofrendo com o glaucoma, pode ser a constatação de uma progressiva perda visual periférica, com o surgimento de manchas escuras na visão lateral. 

É comum, em alguns casos, que a visão fique embaçada, e que os olhos fiquem lacrimejantes e vermelhos, podendo fazer com que o portador da doença sinta dor nos olhos e dor de cabeça.

Na maioria dos casos de Glaucoma, a pressão intraocular é elevada, mas pode ocorrer o do tipo de baixa pressão. A pressão alta nos olhos pode surgir quando existe um desequilíbrio entre a produção de líquido ocular e sua drenagem. 

Isso leva a um acúmulo de líquido dentro do olho, que acaba aumentando a pressão ocular. 

Confira mais detalhes no vídeo abaixo:

Sintomas de pressão alta nos olhos

  • Dor intensa nos olhos e ao redor dos olhos
  • Dor de cabeça
  • Vermelhidão no olho
  • Dificuldade para enxergar no escuro
  • Visão turva e embaçada
  • Observação de arcos em volta das luzes
  • Diminuição da visão periférica

Principais causas da pressão alta nos olhos

  • Histórico familiar de Glaucoma
  • Produção excessiva de líquido ocular
  • Obstrução do sistema de drenagem do olho, que permite a eliminação de líquido. Esse problema também pode ser conhecido por ângulo
  • Trauma no olho causado por pancadas, sangramento, tumor ocular ou inflamação, por exemplo.

ATENÇÃO: Cada caso é único, por isso, não é possível saber se tem ou não uma doença apenas conferindo sintomas e causas. Para saber isso, e ter um diagnóstico do que está ocorrendo, consulte um médico oftalmologista de confiança.

Como funciona o tratamento do glaucoma

Foto: Reprodução/internet

Como dito antes, o glaucoma é uma doença silenciosa. Por isso, é imprescindível que você mantenha em dia suas visitas ao médico oftalmologista e nunca — em hipótese alguma — deixe de acompanhar o seu tratamento. 

Em geral, o tratamento com oftalmologista é feito com a aplicação de vários tipos de colírios para a doença. Em alguns casos (que são mais raros), o uso de medicamentos pode não ter eficácia total. 

Em algumas circunstâncias, dependendo do caso, o tratamento pode ser auxiliado com exercícios naturais, essa prática pode ajudar muitas pessoas no controle da doença e diminuir a necessidade de grandes doses de medicamentos. 

Se os exercícios começarem a ser feitos logo na fase inicial (da suspeita) aliado ao tratamento convencional, podem ajudar o paciente a não ficar tão dependente dos colírios e ajudar a controlar a pressão ocular. 

Exercício auxiliar no tratamento do glaucoma

Foto: Reprodução/internet

Como um auxílio às recomendações do seu oftalmologista, você pode praticar um exercício capaz de ajudar de forma considerável no seu tratamento. 

Para realizá-lo, você vai precisar de um pedaço de papel preto no tamanho de 5cm x 9cm, e um pedaço de fita crepe. Dobre a fita de maneira que ela cole no papel e no seu rosto, mais especificamente no centro dos olhos, na horizontal.

Com o papel cobrindo a sua visão central, olhe para ele, ou seja, para frente, e preste atenção em como é a sua visão periférica. Em nossa periferia há células chamadas bastonetes. 

Estas células são estimuladas pelo movimento. Então, para completar o exercício, abane suas mãos nas laterais de seu rosto, olhe para o papel preto, e deixe sua visão periférica ser estimulada pelo movimento de suas mãos.

Três minutinhos são suficientes para seu cérebro ignorar sua visão central, e ao mesmo tempo relaxá-la, e enviar estímulos para sua visão periférica.

De preferência, faça esse exercício utilizando o papel preto, mas ele pode ser feito também sem o papel.Procure abanar as suas mãos na lateral do seu rosto, sem olhar para elas, de tempos em tempos, enquanto faz outras coisas como ler no computador, assistir televisão. 

Esse simples movimento das mãos, poderá  despertar o uso da visão periférica e aliviar as tensões que causamos na visão central. Avalie também, realizar o sunning, outro exercício visual poderoso que poderá surtir efeitos consideráveis em sua recuperação.

Leia mais em: Sunning ou Ensolar: conheça esse poderoso exercício para os olhos.

Tenha atenção ao fato de que, em hipótese alguma, esse exercício deve ser utilizado como substituto às indicações de tratamento feitas pelo seu oftalmologista. Ao menor sinal de desconforto, procure o médico profissional da área instantaneamente.